14.1.09

Trees on the water




Smoke on the water diz a canção mas devia ser antes trees on the water. Talvez um dia as águas baixem, talvez esta noite os troncos cedam. Agora é isto o que somos, por agora é isto o que podemos ser: nas águas baças do mundo as árvores ficam, nelas a memória e o canto da floresta viva. Nelas ainda a altiva sombra do gamo e a do pastor. Nas águas imensas a flauta simples do pastor.

Trees on the water. Sim, que sei eu da terra que não seja o torvelinho insubstancial dos rios, que sei eu da pedra e do chão e da realidade última dos mundos? Se olhar para baixo vejo só o adensar da cheia, a ameaça invernal da cheia. As águas. Se olhar para cima vejo só o céu, as águas do céu. Mas não sou a terra nem o céu, não sou a dissolução nem a transcendência. Não sou ainda a morte que nunca morri.

Sobre a mudez das águas cantam árvores. Sob a nudez terrível do céu as árvores sabem.

11 Comments:

Blogger Gotik Raal said...

Goldmundo,

As árvores têm essa característica da memória gravada nos anéis, do anos que passam: nos Invernos, húmidos, um anel mais escuro e nos Verões secos, um anel mais claro. Têm por isso, se calhar, a memória das Águas. Da Terra, do Ar - e, por vezes do Fogo. São dos Elementos, as árvores...

"não sou ainda a morte que nunca morri"

E nós, seres um pouco mais frágeis sobre a Terra (mas infinitamente mais letais) podemos talvez participar um pouco dessa eternidade, dessa elementaridade....

Um belo texto, Goldmundo!
Gotik Raal

15/1/09 01:31  
Blogger Lord of Erewhon said...

Sem as brumas, e o fumo do cigarro nas tardes de névoa, quem esperaria pela alba das árvores...?

Abraço.

19/1/09 15:16  
Blogger andorinha said...

Belíssimo texto.
Não me atrevo a dizer mais nada:)

Beijo.

26/1/09 23:04  
Blogger witch said...

:)

Aqui quase se ouvem os suspiros da água, o ruído de desalentados galhos, as raízes que saem do ventre das pedras...

Belo texto...


Kisss...

27/1/09 01:24  
Blogger ebola said...

Guardam consigo todas as verdades que por elas passam, serão derradeiras testemunhas ou os confessores dos impropérios e queixumes do mundo?

16/7/09 18:03  
Blogger P said...

La vida es esto. Prestémosle atención a los
detalles. Al calorcito humeante del pis, a sacar la basura, a viajar apretados
en colectivo. Si no disfrutamos eso, ¿qué nos queda?

4/8/09 07:36  
Blogger anareis said...

Estou fazendo uma Campanha de Natal para crianças necessitadas da minha comunidade carente aqui no Rio de Janeiro,são crianças que não tem nada no Natal,as doações serão destinadas a compra de cestas básicas-roupas-calçados e brinquedos. Se cada um de nós doar-mos um pouquinho DEUS multiplicará em muitas crianças felizes. Se voce quiser ajudar é fácil,basta depositar qualquer quantia no Banco do Brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3 Voce verá como doar faz bem a Alma,obrigado. meu email asilvareis10@gmail.com

13/11/09 11:42  
Blogger Dad said...

Há muito tempo que não passava por aqui. Gostei do lindo texto que por aqui li.
Um abraço,

13/2/10 11:13  
Blogger Klatuu o embuçado said...

Feliz Natal e Boas Festas!
Abraço!

25/12/10 18:44  
Anonymous Anónimo said...

Como sempre, um excelente texto!

Olha, já que dei um salto aqui, espreita e divulga o nosso site:

www.mithoslda.com

Vá lá... põe aí o ppl a fazer encomendas que isto tá difícil à brava. Ah! E ainda estou à espera que vás à loja pa encomendar as tuas botas... era em Novembro, right? ;)) LOL

Beijuuuuus,
Sandra (Lonellywolf)

4/4/11 21:28  
Anonymous Anónimo said...

Saudades do que escrevias aqui Goldmundo. Sempre entro na esperança de ver um novo texto... E espero um dia ver.

10/2/14 10:24  

Enviar um comentário

<< Home